Subvariante BA.2 é mais agressiva que a Ômicron, mostra novo estudo