Vítimas de acidente aéreo tinham passado fim de semana em família pela 1ª vez em MG

A família que estava em uma aeronave particular que caiu na manhã deste domingo (4) em Patos de Minas (MG) havia passado o fim de semana em Varginha (MG). Segundo o irmão do piloto, o médico Marcos Nogueira Chagas, de 45 anos, essa foi a primeira vez que a família toda havia vindo de Brasília para passear na cidade. O piloto, que era natural de Varginha, já tinha vindo outras vezes no avião, mas nunca com a familia inteira.

Ainda conforme familiares, as cinco pessoas que morreram chegaram à cidade na última sexta-feira (2), passaram o fim de semana em um sítio e decolaram do aeroporto da cidade às 9h de domingo (4). Além do piloto, morreram no acidente a esposa e também médica Carla Giannine Pereira Medina, de 44 anos e os filhos Pedro, de 12 anos, Lívia, de 10 e Luíza, de 8 anos.

Segundo Marcelo Nogueira, irmão do piloto Marcos Nogueira, em outras quatro vezes o médico havia vindo de Brasília acompanhado da esposa, ou da esposa e do filho mais velho ou mesmo sozinho.

Avião caiu em Patos de Minas cerca de 2h30 após decolar de Varginha — Foto: Paulo Barbosa/G1

O acidente

A queda da aeronave que transportava cinco pessoas da mesma família foi registrada por volta das 11h30 em um pasto próximo ao aeroporto de Patos de Minas, no Alto Paranaíba. Testemunhas disseram que a aeronave sobrevoava o aeroporto rápido e a baixa altitude.

O avião era um monomotor modelo RV-10, de 2013, fabricado pela Flyer Indústria Aeronáutica. A capacidade máxima do avião era de três passageiros e o piloto. Mas segundo a Agência Nacional de Aviação (Anac), o avião poderia transportar o peso máximo de 1.224 quilos. A aeronave era de propriedade do médico Marcos Nogueira Chagas.

Os corpos das cinco vítimas foram liberados pelo IML e serão levados para Varginha, onde deverão ser sepultados. Segundo o Cemitério Municipal, os corpos saíram por volta de 11h de Patos de Minas e deverão ser velados no Velório Municipal. O horário do enterro ainda não foi definido.

O Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos, o Cenipa e a Polícia Civil, vão investigar o acidente.

Fonte: G1.

Comentários

Captha *