Forte chuva isola cidades, provoca alagamentos e desabamentos e deixa 11 mortos na Grande SP

A forte chuva que começou na noite de domingo (10) e se estende por esta segunda-feira (11) provocou alagamentos em diversas regiões da Grande São Paulo e bloqueou vias de acesso à capital paulista. A previsão é de mais chuva durante o dia, mas com menos intensidade. Houve ao menos 11 mortes.

Os óbitos aconteceram em cidades da Grande São Paulo e do ABC:

  • Quatro em deslizamento de terra em Ribeirão Pires;
  • Uma criança soterrada após deslizamento de terra em Embu das Artes;
  • Três pessoas afogadas em São Caetano do Sul, duas na Avenida dos Estados e uma no bairro Taboão;
  • Uma pessoa afogada em Santo André;
  • Uma afogada em São Bernardo do Campo;
  • Uma afogada no Ipiranga, na capital.

O Corpo de Bombeiros chegou a informar que havia 12 mortes, mas depois voltou atrás e confirmou 11.

Também há registros de feridos:

  • Dois no desabamento em Ribeirão Pires;
  • Na Zona Leste, um deslizamento de terra atingiu uma casa – a mãe e duas crianças ficaram feridas (uma delas em estado grave).

Veja a situação atual

  • Rodízio de veículos está suspenso (carros com placas final 1 ou 2 podem circular normalmente).
  • Zona Azul suspensa na capital.
  • Zona de Máxima Restrição à Circulação de Caminhões (ZMRC) e a Zona de Máxima Restrição aos Fretados (ZMRF) também foram liberadas.
  • Linha 10-Turquesa (Brás-Rio Grande da Serra) está fechada e não deve reabrir nesta segunda.
  • Marginal Tietê tem alagamentos.
  • Córrego da Mooca e Rio Tamanduateí transbordaram.
  • Chuvas devem persistir durante o dia.

Os lugares mais afetados foram os bairros de Vila Prudente e do Ipiranga, ambos na capital, e as cidades do ABC. Os bombeiros contabilizam, entre 0h e 6h, 601 ocorrências de enchentes, 34 quedas de árvore, 54 ocorrências de desabamento e três deslizamentos graves.

Em Ribeirão Pires, no ABC, o desabamento de uma casa deixou quatro mortos e dois feridos, segundo a Prefeitura da cidade.

Outras duas pessoas morreram na Avenida dos Estados, em São Caetano do Sul, também no ABC. Na mesma cidade, uma vítima morreu afogada.

Uma pessoa morreu no bairro Taboão, em São Bernardo do Campo, segundo o porta-voz dos bombeiros, capitão Marcos Palumbo. Em Santo André, foi registrada uma morte.

Na capital, uma pessoa morreu no Ipiranga, Zona Sul.

Em Embu das Artes, na Grande São Paulo, o deslizamento de terra sobre uma casa deixou três pessoas soterradas. Uma das vítimas, uma criança, morreu no Hospital Geral de Itapecerica da Serra, segundo a Defesa Civil estadual.

De acordo com a Prefeitura da cidade, o desmoronamento ocorreu na Rua Caqui, no Jardim Pinheirinho. Os pais, Mike Lopes Alves e Karina Santos Oliveira Lopes, saíram com escoriações, mas o filho deles, Bernardo Oliveira Lopes, de 1 ano e 2 meses, morreu.

No Jardim Zaíra, em Mauá, três casas desabaram após um deslizamento de terra. Ninguém se feriu. O mesmo bairro havia registrado a morte de quatro crianças em fevereiro, após deslizamento.

No Parque São Rafael, Zona Leste da capital, um deslizamento de terra atingiu uma casa. A mãe e duas crianças ficaram feridas – uma delas em estado grave.

No Rio Pequeno, na Zona Oeste de São Paulo, uma casa desabou. Segundo a vizinha que fez a gravação, Gelma Pereira, não houve feridos, porque os moradores ouviram o barulho de movimento de terra antes da casa desabar e saíram do imóvel, que fica na Rua Gertrudes Cunha.

No bairro do Sacomã, sudeste da capital, carros foram levados pela água. Outros veículos ficaram ilhados pela enchente, forçando seus ocupantes a subir no teto desses automóveis.

O Centro de Gerenciamento de Emergências da Prefeitura de São Paulo (CGE) informou que há diversos pontos intransitáveis na cidade.

A circulação de trens na Linha 10-Turquesa da CPTM está interrompida, sem previsão de normalização.

A região do Ipiranga também seguia em estado de alerta às 8h por conta do transbordamento do Rio Tamanduateí, na região do piscinão Guamiranga. O piscinão foi inaugurado em fevereiro de 2017.

A Prefeitura de São Paulo anunciou a suspensão do rodízio e da Zona Máxima de Restrição de Circulação, e liberação da circulação de fretados e da Zona Azul.

Resgates

Bombeiros resgataram moradores ilhados com botes e com o helicóptero Águia. Um dos membros de uma família retirada de casa carregava um gato nas mãos na hora do resgate.

No ABC, diversas famílias foram içadas pelo cesto de resgate e levadas dos telhados de suas casas a um local seguro.

Ao ver carros totalmente submersos e ocupantes sobre esses veículos, o motoboy Rafael de Almeida decidiu ajudar após receber um telefonema de um amigo.

“Comecei a salvar uma pessoa, duas, quando vi já tinha socorrido umas 20 pessoas eu e meus amigos”, contou.

Cidades sem acesso à capital

Saídas para a capital a partir de Diadema, Santo André, São Bernardo do Campo e São Caetano do Sul estão interditadas em razão do alagamento.

Um trecho da Via Anchieta, principal via de ligação do ABC Paulista com São Paulo, também tem a passagem de carros impossibilitada na altura da antiga Uniban.

A Defesa Civil e os bombeiros usaram botes para resgatar pessoas que estavam ilhadas em pontos de ônibus na região.

O prefeito de São Bernardo do Campo, Orlando Morando (PSDB), divulgou vídeo por volta das 22h pedindo para os moradores não tentarem passar pelos pontos mais comprometidos pelas enchentes.

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo, por volta das 22h do domingo houve transbordamento do Córrego da Mooca e do Rio Tamanduateí na Avenida do Estado.

Rodovia dos Tamoios, principal ligação entre o Vale do Paraíba e o litoral norte de São Paulo, foi interditada. Houve quedas de barreiras nos km 73 e 70.

Fonte: G1.

–:–/–:–

Comentários

Captha *