Corpo do jornalista Rafael Henzel, sobrevivente da tragédia da Chapecoense, é velado em Chapecó

O corpo do jornalista Rafael Henzel, que morreu na noite desta terça-feira (26) após sofrer um infarto, é velado desde as 6h30 desta quarta-feira (27), no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo de Nes, que fica ao lado da Arena Condá, em Chapecó, no Oeste catarinense. Ele foi um dos quatro brasileiros sobreviventes na tragédia aérea da Chapecoense, em 2016.

Durante a madrugada, uma cirurgia foi realizada para retirar as córneas do jornalista para doação. A família do profissional de 45 anos, vítima de um infarto enquanto jogava futebol em Chapecó, autorizou o transplante.

Durante o início do velório, que é aberto ao público, ocorreu uma cerimônia ecumênica. Ainda de acordo com a família, às 16h será realizada outra homenagem ao jornalista, em seguida o corpo será levado para o sepultamento no Cemitério Parque Jardim do Éden. Henzel deixa o filho Otávio, de 13 anos, e a mulher, Jussara.

A morte do jornalista causou comoção entre políticos, familiares, personalidades e jornalistas. A prefeitura de Chapecó decretou luto oficial de três dias.

Mal súbito

Em nota, o Hospital Regional do Oeste, em Chapecó, informou com pesar que Henzel morreu às 21h10. Ele chegou na unidade em parada cardiorrespiratória, “vítima de um mal súbito durante jogo de futebol com amigos e colegas de imprensa de Chapecó”. Também diz que todas as medidas de reanimação possíveis foram adotadas, sem sucesso.

Perfil

O jornalista trabalhava atualmente na rádio Oeste Capital e, um ano após sobreviver à tragédia, tinha voltado normalmente à rotina dos jogos.

Em 2017, Rafael Henzel lançou o livro “Viva Como se Estivesse de Partida”. Na obra, fala sobre o incidente e a mensagem de importância à vida.

Fonte: G1.

–:–/–:–

Comentários

Captha *