Após 3 quedas seguidas, setor de serviços cresce 0,3% em abril

O volume do setor de serviços cresceu 0,3% em abril, na comparação com o mês anterior, segundo divulgou nesta quinta-feira (13) o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), na primeira alta no ano.

Na comparação com abril do ano passado, entretanto, houve queda de 0,7%, segunda taxa negativa seguida neste tipo de comparação.

“O acumulado do ano cresceu 0,6%. Já o acumulado nos últimos 12 meses, ao passar de 0,6% em março para 0,4% em abril de 2019, prosseguiu assinalando redução no ritmo de crescimento observada desde fevereiro deste ano (0,7%)”, informou o IBGE.

O IBGE revisou os dados do setor de serviços dos primeiros três meses deste ano, mostrando quedas mais intensas que as inicialmente divulgadas para os meses de janeiro (de -0,4% para -0,6%) e março (de -0,7% para -0,8%). Já fevereiro teve queda de 0,4%, menor que o primeiro resultado, que tinha sido de -0,6%.

3 das 5 atividades crescem

Em termos setoriais, 3 das cinco atividades cresceram em abril frente a março, com destaque para serviços de informação e comunicação (0,7%). As outras altas foram em serviços profissionais, administrativos e complementares (0,2%) e serviços prestados às famílias (0,1%).

Os primeiros indicadores de maio ainda mostram uma atividade econômica fraca, após uma queda de 0,2% do PIB no 1º trimestre, em meio ao elevado desemprego, renda estagnada do brasileiro, alta ociosidade das empresas e queda dos investimentos públicos em razão da crise fiscal.

Na véspera, o IBGE divulgou que as vendas do comércio varejista caíram 0,6% em abril, o pior resultado para meses de abril desde 2015 (-1%) e também a primeira contração para o mês em quatro anos.

Já a produção industrial cresceu 0,3%, em abril, mas o avanço foi insuficiente para recuperar a perda de 1,4% de março. Nos 4 primeiros meses de 2019, o setor industrial passou a acumular uma queda de 2,7% frente ao mesmo período de 2018.

De acordo com a última pesquisa Focus do Banco Central, o mercado reduziu a projeção de alta do PIB em 2019 caiu para 1%. Foi a 15ª queda consecutiva do indicador. E parte dos analistas já fala em alta abaixo de 1%, abaixo do resultado registro em 2017 e 2018, quando a economia cresceu 1,1% em cada um dos anos.

Fonte: G1

Comentários

Captha *