Caso Daniel: MP-PR recorre de sentença e pede que Cristiana Brittes vá a júri popular por homicídio qualificado

O Ministério Público do Paraná (MP-PR) apelou da decisão da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, e pediu que Cristiana Brittes, esposa de Edison Brittes, vá a júri popular pelo crime de homicídio qualificado do jogador Daniel Correa Freitas. O pedido foi feito na quinta-feira (12).

Na sentença de pronúncia publicada em 28 de fevereiro, a juíza Luciani Martins de Paula determinou que Cristiana fosse a júri pelos crimes de fraude processual, corrupção de menor e coação no curso do processo.

Daniel foi morto em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, em outubro de 2018. O corpo dele foi encontrado com o órgão sexual mutilado, próximo a uma estrada rural. Edison Brittes disse que o matou porque ele tentou estuprar Cristiana.

Dos sete réus do caso, a sentença da juíza determinou que Edison Brittes, David William Silva, Ygor King e Eduardo da Silva fossem a júri pelo homicídio do jogador.

O júri ainda não tem data para acontecer.

Saiba os réus e por quais crimes cada um deles foi pronunciado:

Edison Brittes Júnior

  • Homicídio triplamente qualificado: (motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima)
  • Ocultação do cadáver
  • Fraude Processual
  • Corrupção de menor
  • Coação do curso do processo

Cristiana Rodrigues Brittes

  • Fraude Processual
  • Corrupção de menor
  • Coação do curso do processo

Allana Emilly Brittes

  • Fraude Processual
  • Corrupção de menor
  • Coação do curso do processo

David Willian Vollero Silva

  • Homicídio triplamente qualificado: (motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima)
  • Ocultação do cadáver
  • Fraude Processual

Eduardo Henrique Ribeiro da Silva

  • Homicídio triplamente qualificado: (motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima)
  • Ocultação do cadáver
  • Fraude Processual
  • Corrupção de menor

Ygor King

  • Homicídio triplamente qualificado (motivo torpe, meio cruel e recurso que impossibilitou a defesa da vítima)
  • Ocultação do cadáver
  • Fraude Processual

Evellyn Brisola Perusso

  • Fraude processual

O que diz a defesa

A defesa de Cristiana Brittes afirmou que “recebe com naturalidade o recurso do MP e está tranquila quanto à robusta produção de prova que levou a justiça a impronunciar Cristiana da injusta acusação de homicídio”.

Fonte: G1

Foto: Reprodução/Facebook

Comentários

Captha *