Chefe do HC lamenta morte de médico americano que atuou na separação de siamesas em Ribeirão Preto: ‘Perda irreparável’

Chefe da Divisão de Neurocirurgia Pediátrica do Hospital das Clínicas (HC) de Ribeirão Preto (SP), o neurocirurgião Hélio Rubens Machado lamentou, nesta segunda-feira (30), a morte do médico americano James Goodrich, que atuou na separação das gêmeas Maria Ysabelle e Maria Ysadora, nascidas unidas pela cabeça, em 2018.

Diagnosticado em Nova Iorque, nos EUA, com Covid-19, o especialista morreu nesta madrugada por complicações pulmonares causadas pela doença.

Referência mundial em procedimentos de separação de crianças siamesas, Goodrich participou ativamente do planejamento para a realização das cinco cirurgias nas irmãs cearenses.

A técnica desenvolvida pelo neurocirurgião americano foi aplicada pela primeira vez no Brasil no caso de Maria Ysabelle e Maria Ysadora. Goodrich chegou a viajar a Ribeirão Preto por duas vezes, quando pode acompanhar duas cirurgias.

As irmãs foram finalmente separadas em outubro de 2018. Atualmente, elas vivem com os pais em Aquiraz (CE), mas continuam sendo acompanhadas pelo HC. A passagem mais recente delas por Ribeirão Preto foi em fevereiro deste ano, quando elas foram batizadas.

“Goodrich era uma figura humana, sensível, incansável, atencioso e atento a todos os detalhes que tornaram possível a execução de um procedimento ímpar, o mais complexo dentro todos da neurocirurgia pediátrica e cirurgia plástica reconstrutiva, tornado realidade com o apoio de grande equipe multidisciplinar”, declarou Machado, em nota.

De acordo com o Hospital das Clínicas, Goodrich chefiava o Serviço de Neurocirurgia Plástica do Hospital Mount Sinai, em Nova Iorque.

Pais celebram o batizado das filhas gêmeas em Ribeirão Preto, SP — Foto: Alexandre Sá/ EPTV

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Leia a nota na íntegra:

“Com imensa tristeza, comunico a morte do Prof. James T. Goodrich, ocorrida nesta madrugada em Nova Iorque, em decorrência de complicações pulmonares do Covid-19. Uma perda imensa e irreparável para todos que o conheceram e que tiveram o privilégio de trabalhar e conviver com ele.

Dr. Goodrich nos ajudou muito. Durante o ano de 2018, participou de todo o planejamento e execução da cirurgia de separação das gêmeas craniópagas em nosso hospital. Aplicamos uma técnica totalmente inovadora que ele próprio criou e que permite que ambas as crianças sobrevivam em boas condições.

Goodrich era uma figura humana, sensível, incansável, atencioso e atento a todos os detalhes que tornaram possível a execução de um procedimento ímpar, o mais complexo dentro todos da neurocirurgia pediátrica e cirurgia plástica reconstrutiva, tornado realidade com o apoio de grande equipe multidisciplinar.

Sua atuação conosco foi, sem dúvida, responsável pelo resultado feliz.

Dr. Goodrich chefiava o Serviço de Neurocirurgia Plástica do Hospital Mount Sinai em Nova Iorque, e sua grande contribuição estava ligada à cirurgia crânio-facial complexa. Destacou-se também como um grande conhecedor da história da medicina e colecionador de objetos e documentos ligados à arte médica.

Veterano do Vietnã, perdeu a última batalha contra o Covid-19.

Uma perda irreparável para a neurocirurgia, a medicina e a arte médica. Inesquecível para nossa Instituição, onde deixa marca indelével.

Obrigado por tudo, e em nome de todos, Professor James Goodrich!

Hélio Rubens Machado

Professor Titular de Neurocirurgia Pediátrica

Chefe da Divisão de Neurocirurgia Pediátrica

Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto

Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Universidade de São Paulo

Fonte: G1