Pandemia deixa 7,1 milhões de brasileiros sem remuneração em junho

O distanciamento social provocado pela pandemia deixou 7,1 milhões de trabalhadores sem remuneração em junho. O número é menor que o registrado em maio, quando 9,7 milhões estavam sem renda, mas ainda corresponde a quase metade do total de pessoas que estão afastadas do trabalho.

Os dados são da Pnad Covid Mensal, divulgada nesta quinta-feira pelo IBGE, com os dados consolidados do mês.

O instituto divulgou ainda que 29,4 milhões dos lares do país (43% do total) tinha algum membro familiar beneficiário de programas de ajuda do governo federal, incluindo auxílio emergencial e benefício emergencial (BEm). Metade da população (49,5%) vive nesses domicílios.

O auxílio é destinado aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais (MEI), autônomos e desempregados, com renda domiciliar per capita que não deve ultrapassar R$ 522,50 ou a renda total do domicílio que não ultrapasse a três salários mínimos (R$ 3.135).

Já o BEm é pago a quem teve suspensão de contrato ou redução de jornada e salário.

Com relação ao mercado de trabalho, a maior flexibilização das medidas de distanciamento social e aumento das demissões fez com que a taxa de desocupação subisse em um mês, passando de 10,7% para 12,4%. São 11,8 milhões de pessoas desempregadas – mais de 1,7 milhão do que o registrado em maio.

Fonte: O Globo

Foto: Pedro Teixeira / Agência O Globo