Sisu: confira 9 pontos que o candidato precisa saber para se inscrever

O prazo de inscrição para o Sistema de Seleção Unificada (Sisucomeça nesta terça-feira (15) e é preciso estar atento na hora de escolher os cursos de interesse. Isso porque o programa do Ministério da Educação (MEC) leva em conta a nota obtida no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021, divulgadas na semana passada, para determinar se o candidato vai ou não obter aquela vaga.

Sisu é um sistema pelo qual o MEC seleciona estudantes para vagas em cursos de ensino superior de instituições públicas. Para concorrer, o candidato precisa estar dentro da nota de corte do curso em questão. Ou seja, precisa ter obtido uma nota igual ou maior à nota mínima definida para aquele curso.

Confira abaixo o que é importante saber antes de se inscrever no Sisu.

1. Quem pode se inscrever no Sisu?

Pode se inscrever no processo seletivo do primeiro semestre quem prestou o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2021 e tenha tirado nota superior a zero na redação. O candidato não pode ter participado da edição como “treineiro”, como é o caso de alunos que não concluíram o ensino médio.

2. Quais são as categorias das vagas?

As vagas ofertadas pelo Sisu são divididas entre:

  • aquelas exigidas pela Lei de Cotas, destinadas a alunos de baixa renda, pretos, pardos, indígenas e com deficiência;
  • vagas destinadas às demais políticas de ações afirmativas eventualmente adotadas e informadas pela instituição; e
  • vagas destinadas à ampla concorrência.

O candidato não pode se inscrever em mais de uma modalidade de concorrência para o mesmo curso e turno, na mesma instituição de ensino e local de oferta.

3. Posso concorrer a quantas vagas?

Cada candidato pode tentar uma vaga em até dois cursos. Ele pode, por exemplo, pleitear uma vaga em direito na Universidade Federal da Bahia e ainda concorrer a uma vaga de arquitetura e urbanismo na Universidade Federal de Minas Gerais.

Para isso, no ato da inscrição, o estudante precisa definir o curso prioritário, aquele que é a sua primeira opção, e a opção de curso secundária. A sinalização de um segundo curso não é obrigatória.

No entanto, caso o candidato esteja determinado a cursar direito na UFBA, por exemplo, ele pode se inscrever para o mesmo curso nas duas opções, alterando apenas o turno de interesse, caso a instituição disponibilize o curso em outro horário.

Vale lembrar que a nota de corte e a quantidade de vagas disponíveis são o que vai definir se o interessado conseguirá ou não aquela vaga.

As regras do processo seletivo de cada universidade, como notas mínimas exigidas ou regulamento para cotas sociais, e o número de vagas já estão disponíveis para consulta no site do programa.

4. Posso ser aprovado nas duas opções de curso?

O estudante pode ser aprovado apenas em uma das opções de curso. Portanto, é importante dar a devida atenção às duas opções. Se for aprovado no curso tido como prioritário, o candidato deixa automaticamente a concorrência do segundo curso. Já se for aprovado para a segunda opção de curso, ele perde a chance de concorrer a uma vaga na primeira opção, não podendo, inclusive, se inscrever na lista de espera.

5. Posso ser reprovado nas duas opções de curso?

Não ser aprovado em nenhuma das opções de curso também é uma possibilidade. Se 500 candidatos demonstrarem interesse em um curso de apenas 80 vagas disponíveis, naturalmente, haverá uma taxa de reprovação.

Devem ter mais chances de aprovação os alunos que tiverem melhor colocação em relação à nota de corte tanto para as vagas de ampla concorrência quanto para as direcionadas à Lei de Cotas.

6. Posso mudar minhas opções de curso?

O candidato pode alterar os cursos que escolheu e a ordem de prioridade durante todo o período de inscrição, se assim desejar. Mas, uma vez que o prazo de inscrição se encerre, a última atualização é a que passa a ser considerada no processo seletivo.

7. Como saber se a minha nota é suficiente para o curso que quero?

A informação é atualizada diariamente no sistema do processo seletivo e pode mudar até poucos momentos antes do encerramento das inscrições. Portanto, é preciso ficar atento.

É importante destacar que o mesmo curso pode ter notas de corte diferentes a depender de algumas variáveis, como campus e concorrência por vagas. Um curso de medicina na USP, por exemplo, pode ter uma nota de corte maior do que o mesmo curso da UFMG, por ser mais concorrido.

Cursos diferentes também possuem notas de corte distintas e dão pesos diferentes a cada prova do Enem. Um curso de engenharia pode dar peso maior à prova de matemática e suas tecnologias e menor à de linguagens, códigos e suas tecnologias, enquanto o inverso pode acontecer em um curso de psicologia, por exemplo. Com isso, se o candidato se inscreve para os dois cursos, a ordem de classificação de um para o outro pode ser muito diferente.

8. Não fui aprovado em nenhuma das opções, e agora?

Se o candidato não for aprovado para nenhuma de suas opções, ele pode manifestar interesse na lista de espera de um dos cursos. Isso deve ser feito a a partir de 22 de fevereiro, quando o resultado da chamada regular é divulgado, até 8 de março.

Uma segunda chamada só deverá acontecer se as vagas ofertadas pela instituição na chamada regular não forem totalmente preenchidas.

9. Fui aprovado para um dos cursos, o que fazer?

Se for aprovado na chamada regular, o aluno terá de 23 de fevereiro a 8 de março para realizar sua matrícula na instituição de ensino. A divulgação de data, horário e local deve ser feita pela própria universidade.

Já se for aprovado na segunda chamada, a partir de 10 de março, o candidato precisa conferir junto à instituição sobre o período de matrículas.

Cronograma do Sisu

  • Inscrições: 15 a 18 de fevereiro
  • Resultado da chamada única: 22 de fevereiro
  • Matrícula ou registro acadêmico: 23 de fevereiro a 8 de março
  • Manifestação de interesse em participar da lista de espera: 22 de fevereiro a 8 de março
  • Resultados da lista de espera: a partir de 10 de março

Comentários

Captha *