Secretaria de Estado da Saúde emite alerta epidemiológico sobre a varíola dos macacos

A Semusa (Secretaria Municipal de Saúde) de Batatais informa os dados mais recentes publicados em nota de Alerta Epidemiológico pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo sobre a Monkeypox (MPX), conhecida como varíola dos macacos.
 
A nota diz que, até 21 de julho de 2022, foram notificados 16.725 casos distribuídos em 81 países com 15.068 casos confirmados.
 
No Brasil, segundo dados do Ministério da Saúde publicados pela Agência Brasil nesta segunda-feira (1º), até 31 de julho, 1.342 casos de varíola dos macacos foram registrados. Na última sexta (29) a pasta confirmou a primeira morte pela doença no Brasil. A vítima era um homem de 41 anos que estava internado em Belo Horizonte (MG).
 
O estado de São Paulo concentra a maioria dos casos confirmados de Monkeypox no país. Eles estão distribuídos em 29 (4,5%) municípios paulistas sendo que a Capital do estado concentra 83% dos casos. Os casos são predominantes no sexo masculino (97,3%), na faixa etária de 30 a 34 anos (29%) seguida da faixa de 25 a 29 anos (20%), com mediana de idade de 33 anos. Do total de casos, 33% apresentaram lesões no mesmo estágio. Quanto ao local das lesões, a maior frequência ocorreu em genitais (60,7%) seguido por tronco (41%) e membros superiores (34,7%).
 
A secretária de Saúde de Batatais, Bruna Toneti, explica que, embora não haja motivo para pânico, a população deve ter ciência das formas de transmissão e de como são os primeiros sintomas da doença. “Em caso de suspeita, orientamos que os munícipes procurem rapidamente o serviço de saúde para avaliação do quadro. Peço que todos se atentem às informações, pois assim como outras doenças virais, é importante que possíveis casos sejam identificados o mais breve possível”, disse.
 
TRANSMISSÃO E SINTOMAS
 
De acordo com a nota de Alerta Epidemiológico do governo do Estado, MPX é uma doença zoonótica viral e sua transmissão para humanos pode ocorrer por meio do contato com animal ou humano infectado ou com material corporal humano contendo o vírus. Apesar do nome, os primatas não humanos não são reservatórios do vírus da varíola. A MPX é transmitida principalmente por contato direto ou indireto com sangue, fluidos corporais, lesões de pele ou membranas mucosas de animais infectados.
 
A transmissão entre humanos ocorre principalmente por meio de contato próximo/íntimo com lesões de pele de pessoas infectadas, como por exemplo pelo abraço, beijo, massagens, relações sexuais ou secreções respiratórias.
 
A transmissão também pode ocorrer por meio de secreções em objetos, tecidos (roupas, roupas de cama ou toalhas) e superfícies que foram utilizadas pelo doente.
 
O período de incubação é tipicamente de 6 a 13 dias e pode variar de 5 a 21 dias de intervalo. Após infectada, a pessoa comumente inicia os sintomas com febre, mialgia, fadiga, cefaleia, astenia, dor nas costas e linfadenopatia.
Após três dias do contágio, o indivíduo apresenta erupção maculopapular centrífuga a partir do local da infecção primária e que se espalha rapidamente para outras partes do corpo.
 
Fonte: Semusa

Comentários

Captha *