Morre o príncipe Philip, militar que se adaptou ao papel de coadjuvante da rainha da Inglaterra

Como consorte real, era incumbência do príncipe Philip acompanhar sua cônjuge, a rainha Elizabeth II, em suas tarefas como soberana: visitas oficiais a outros países, jantares e recepções de Estado, discursos de abertura do Parlamento, cerimônias e ritos honoríficos.

Philip, que morreu nesta sexta-feira aos 99 anos, costumava ser discreto sobre o que pensava dessas atribuições. Embora tenha dito que, se pudesse escolher a qual profissão se dedicar, “preferiria ter continuado na Marinha, francamente”, afirmou também, na mesma entrevista ao Independent em 1992, que “tentou tirar o melhor” da vida como coadjuvante no casamento de 74 anos.

Sua morte foi anunciada por volta de meio-dia, horário de Londres (8h no Brasil), em um comunicado emitido pelo Palácio de Buckingham: “É com muito pesar que Sua Majestade, a rainha Elizabeth II, anuncia a morte de seu querido marido, Sua Alteza Real, o príncipe Philip, duque de Edinburgo”, disse o palácio em um comunicado. “[Philip] morreu tranquilamente nesta manhã no Palácio de Windsor. Anúncios subsequentes serão feitos em seu devido tempo. A família real se une ao povo ao redor do mundo no luto por sua perda.”

A morte de Philip não altera a linha de sucessão ao trono britânico, encabeçada pelo seu filho mais velho com a rainha, o príncipe Charles, de 72 anos, seguido do filho mais velho de Charles com a princesa Diana, o príncipe William, de 38. A saúde do duque de Edinburgo estava em declínio havia dois anos, quando ele teve que parar de dirigir depois de um acidente sem gravidade. Em março deste ano, ele foi operado do coração.

Philip e Elizabeth, de 94 anos, estavam casados desde 1947, cinco anos antes de ela ser alçada ao trono, com a morte do pai, o rei George VI. Tempo para se acostumar a ela não lhe faltou: desde então o duque de Edinburgo tornou-se o mais longevo consorte e o homem mais velho da História da monarquia britânica.

Conhecido pelo estilo varonil, que incluía declarações sarcásticas e atividades atléticas — e, às vezes, fazia com que se parecesse com uma caricatura grosseira —, o príncipe nasceu, ele mesmo, em berço real. Seu pai era o príncipe André da Grécia e da Dinamarca, que lhe legou a dupla filiação nobiliárquica, e sua mãe, Alice de Batemberga, família aristocrática alemã que morava principalmente no Reino Unido.

A ascendência nobre não o poupou de uma infância mal-aventurada. Após a Grécia ser derrotada na Guerra Grego-Turca (1919-1922), seu pai, que atuara como comandante militar, foi banido do país, e a família — que, além dos pais, incluía quatro irmãs mais velhas — precisou ir para o exílio. Após uma passagem pela França, em 1928 Philip foi mandado para um colégio interno no Reino Unido.

O jovem príncipe não teria muito mais contato com a mãe durante a infância. Nos três anos seguintes, Alice, surda de nascimento — e que, após o casamento, adotou o nome do marido, e também passou a se chamar “Princesa André da Grécia e Dinamarca” —,  foi diagnosticada com esquizofrenia e mandada para um asilo. Nessa mesma época,  as quatro irmãs casaram-se todas com alemães e se mudaram para a República de Weimar, enquanto o pai estabeleceu-se em Monte Carlo.

Philip, enquanto isso, manteve-se dedicado aos estudos, primeiro na Alemanha, e, em seguida, na Escócia. Aos 18 anos, em 1939, tornou-se cadete da Marinha britânica no Colégio Naval de Dartmouth. Após a declaração de guerra com a Alemanha, em outubro, o jovem chegou a se questionar se deveria voltar para a Grécia, onde a mãe — que mais tarde se tornaria freira — morava após ter saído do asilo, mas seu tio, o Rei Jorge II da Grécia, determinou que continuasse os estudos de guerra naval no Reino Unido.

Seria como cadete que o príncipe conheceria seu grande amor. Também em 1939, a família real visitou Dartmouth, e Philip foi encarregado de ciceronear Elizabeth, então com 13 anos, e a irmã, Margareth. O charme e a vivacidade de Philip, que, na juventude, lhe renderam casos amorosos com atrizes e socialites, cativaram também Elizabeth, e os dois começaram uma relação por cartas.

A mão de Elizabeth

Após a guerra — na qual participou de algumas batalhas, sem envolvimento particularmente notável, mas com algumas condecorações e méritos, como ter se tornado tenente aos 21 anos —, finalmente pediu permissão a George VI para pedir a mão de sua filha, em 1946. O rei autorizou, contanto esperasse o ano seguinte, quando a princesa já teria 21 anos. Em março de 1947, Philip abandonou os títulos grego e dinamarquês. O casamento, que foi transmitido pela televisão, aconteceu em 20 de novembro daquele ano, mesma data em que foi nomeado Duque de Edimburgo.

Segundo Philip, no começo, sua esperança era conciliar a carreira promissora na Marinha com as atividades ao lado da mulher. Entre 1949 e 1951, esteve destacado em Malta, onde Elizabeth o acompanhou. Segundo biógrafos da rainha, seriam os anos em que o casal seria mais feliz. A morte prematura de George, em 1952, que levou ao coroamento da mulher aos 27 anos, selou o destino de Philip como príncipe-consorte.

— Eu pensava que poderia ter uma carreira na Marinha, mas se tornou óbvio que não havia esperança — afirmou, segundo o tabloide Express. — Não havia escolha. Só aconteceu. Você precisa fazer compromissos, assim é a vida.

O desligamento da vida militar seria compensado com atividades ao ar livre e esportes, como a corrida de charretes, modalidade que ajudou a aprimorar. Ao longo da vida, Philip também praticou diversos outras atividades comuns à mais restrita elite britânica, como vela e polo, além de ter aprendido a pilotar aviões. Mais polêmico era o gosto por caçadas, a javalis, patos, bisões e, no mínimo, um tigre, morto na Índia em uma viagem de 1961.

O clichê masculino e aristocrático também era perceptível em suas declarações e piadas, frequentemente recebidas como politicamente incorretas ou gafes. Para um estudante que voltava da Papua Nova Guiné, perguntou “como ele tinha escapado de ser comido”; ao presidente da Nigéria, que usava uma roupa tradicional, disse que parecia vestir um pijama; durante a recessão de 1981 no Reino Unido, perguntou por que, “se todos queriam mais lazer”, agora reclamavam do desemprego. Estas afirmações, em sua própria avaliação, ajudaram a consolidar uma imagem de “um velho cafajeste”.

Apesar disso, ajudou mais de 800 organizações de caridade, principalmente nas áreas da educação, indústria, esporte e meio ambiente. Neste último tópico, manteve uma atuação viva, e foi o primeiro presidente do World Wildlife Fund (WWF).

Philip e Elizabeth tiveram quatro filhos, o príncipe Charles, a princesa Anne, o príncipe Andrew e o príncipe Edward, nascidos entre 1948 e 1964. O Duque de Edimburgo incomodava-se de não poder batizar as crianças com o próprio sobrenome, pois Elizabeth queria manter o nome da Casa Real de Windsor. A divergência foi resolvida com um acordo em 1960, quando o casal decidiu que, embora a casa fosse continuar a se chamar Windsor, os descendentes carregariam também o sobrenome Mountbatten, versão inglesa do Batemberga de sua família materna que omitia o vínculo com a Alemanha.

A aposentadoria dos deveres reais aconteceu em agosto de 2017, aos 96 anos. Philip cumpriu neste período 22.219 compromissos oficiais, e, em 20 de novembro daquele ano, completou o 70º aniversário de casamento com a rainha, que foi a primeira monarca britânica a comemorar um aniversário de casamento de platina.

Em 2011, em seu aniversário de 90 anos, Philip disse, em um especial da BBC, que aprendeu a cumprir o seu papel de consorte real “por tentativa e erro”.

— Não havia nenhum precedente — ele disse. — Se eu perguntasse a alguém “o que você espera de mim”, todos me olhavam sem dizer nada. Eles não faziam ideia, ninguém tinha muita ideia.

A causa da morte de Philip não foi revelada pela Coroa britânica, mas o príncipe permaneceu internado por um mês internado, tendo alta no último dia 16, a princípio por uma infecção e depois por uma cirurgia cardíaca.

Fonte: O Globo

Foto: ADRIAN DENNIS / AFP /22-7-2020

Comentários

Captha *